III Treinamento Prático sobre Produção de Cachaça será realizado pela APTA de Jaú

 

Curso resultante de pesquisas da Agência na produção da bebida apresenta uma nova opção de renda aos canavicultores

            Um treinamento prático para produção de cachaça artesanal será oferecido pela Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento (UPD) de Jaú, da Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, em 6 de julho de 2017, às 7h, em Jaú, interior paulista. A terceira edição do treinamento contará com novos palestrantes para abordar as cultivares de cana para a produção da bebida e o processo de fermentação. O objetivo é oferecer um treinamento básico sobre a produção de cachaça artesanal. A UPD de Jaú da APTA completa 80 anos de atividade em 2017.

Nesta edição, o pesquisador do Instituto Agronômico (IAC-APTA), Mauro Alexandre Xavier, apresentará uma palestra sobre as cultivares de cana-de-açúcar disponíveis no mercado. Gustavo Henrique Gravatim Costa, professor na Universidade do Sagrado Coração (USC), de Bauru, falará sobre o processo de fermentação da bebida. Além disso, será apresentado o jardim varietal de cana-de-açúcar aos canavicultores, local que conta toda a história da cana-de-açúcar no Brasil. “Os produtores poderão entender como começou a produção de cachaça, qual tipo de cana era usada e quais são utilizadas agora”, diz Gabriela Aferri, pesquisadora da APTA.

O treinamento tem sido muito procurado, principalmente, por pequenos produtores rurais, que visam uma oportunidade de aumentar a renda familiar com a produção da bebida. “Quando se trata da venda de cana para usinas de produção de açúcar e etanol, a produção da cachaça agrega valor na renda bruta do produtor, já que uma tonelada de cana-de-açúcar entregue para usina equivale a, aproximadamente, R$ 60,00 e uma tonelada de cana transformada em cachaça equivale a, aproximadamente, R$ 400,00”, diz.

            A iniciativa do curso veio para estender os conhecimentos adquiridos pelos técnicos da UPD na fabricação de cachaça de forma mais sistematizada. “Por mais que existam outros cursos de produção de cachaça, esse é focado nos resultados que obtivemos nas pesquisas da bebida, realizadas na UPD Jaú com as cultivares desenvolvidas pelo Programa Cana do IAC”, diz a pesquisadora.

            As atividades teóricas e práticas serão separadas por ambientes, nas quais serão apresentados aspectos sobre equipamentos, qualidades da matéria-prima, higienização do ambiente e o próprio processo da produção da cachaça, que conta com filtração, diluição, tratamento térmico, fermentação e destilação. Serão abordados ainda aspectos sensoriais da cachaça artesanal, divididas entre aromas, sensações, gostos e visual, que auxiliam no reconhecimento de um produto de boa qualidade.

            “Os produtores que participaram das edições anteriores gostaram bastante, pelas atividades práticas. Eles veem desde a cana plantada no campo até o processo todo de produção”, diz Gabriela.

Produção e análise da cachaça artesanal

            Atualmente, 1,3 bilhões de litros de cachaça no Brasil, dos quais 45% são somente do Estado de São Paulo, produzidos por cerca de 40 mil produtores espalhados pelo País. De acordo com o Instituto Brasileiro de Cachaça (IBRAC), 99% dos produtores são de micro ou pequeno porte.

            A produção da cachaça está totalmente interligada ao plantio de cana-de-açúcar, fazendo com que diversas práticas realizadas na lavoura causem um efeito na produção final da bebida. “A escolha das variedades de cana e o controle de pragas, doenças e ervas daninhas podem alterar a qualidade da cachaça”, diz Valdir Lotti, técnico da APTA e instrutor do treinamento. As principais variedades de cana-de-açúcar existentes para a produção da bebida são a IACSP955000, IACSP975094, RB867515, entre outras, que devem estar associadas à região, clima, tipo de solo e época de maturação.

            A qualidade da bebida pode ser medida de acordo com os aspectos sensoriais. “Reconhece-se uma cachaça de boa qualidade quando ela apresenta cor, sabor, aroma e textura, ou viscosidade, característicos do processo de fermentação ou da harmonização dos produtos agregados ao processo de envelhecimento”, diz Valmira Cruzeiro, oficial de apoio da APTA e instrutora no treinamento.

            Para o secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, Arnaldo Jardim, o curso permite a diversificação de renda nas propriedades paulistas. “Isso é muito importante para melhorar a qualidade de vida do pequeno agricultor. Uma das diretrizes do governador Geraldo Alckmin é justamente termos foco no pequeno produtor e agricultor familiar em nossos trabalhos de pesquisa e transferência de tecnologia”, afirma.

SERVIÇO: III Treinamento Prático sobre Produção de Cachaça

Data: 6 de julho de 2017

Horário: A partir das 7h

Local: Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento de Jaú da APTA

Endereço: Rodovia Deputado Leônidas Pacheco Ferreira, SP 304, Km 304, Sentido Jaú - Bariri, Jaú - SP

Informações: (14) 3621-3439

Programação:

07h às 07h30: Abertura

07h30 às 09h30: Preparo da matéria prima

09h30 às 09h45: Intervalo

09h45 às 11h: Processo de fermentação

11h às 12h30: Almoço

12h30 às 14h45: Destilação

14h45 às 15h: Intervalo

15h às 16h30: Aspectos sensoriais da cachaça artesanal

Por Giulia Losnak (estagiária)

Assessoria de Imprensa – APTA

19 2137-8933

 

Notícias por Ano