UNIDADE DE ANDRADINA/POLO REGIONAL EXTREMO OESTE RECEBE CERTIFICADO DO MAPA DE MODELO NO COMBATE A BRUCELOSE E TUBERCULOSE

rebanho

A Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento de Andradina, vinculado ao Polo Extremo Oeste/APTA Regional da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo (SAA-SP), recebeu certificado de “Estabelecimento de criação monitorada de Brucelose e Tuberculose” do Ministério de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). É o quinto ano consecutivo que o MAPA confere este reconhecimento à UPD Andradina.

 

 

Em 2001, o MAPA instituiu o Programa Nacional de Controle e Erradicação da Brucelose e Tuberculose Animal (PNCEBT) com o propósito de controlar estas enfermidades infecciosas. Os objetivos específicos do Ministério são os de baixar a prevalência e a incidência de novos focos da brucelose e da tuberculose, bem como criar um número significativo de propriedades certificadas como livres e/ou monitoradas, que possam oferecer ao consumidor produtos de baixo risco sanitário.

 

A brucelose e a tuberculose, que acometem animais e provocam sérios prejuízos na produção de carne e leite, são reconhecidas como importantes zoonoses que ocorrem em todo o território nacional. Mas apresentam prevalências e distribuições regionais distintas, provocando impacto negativo na saúde pública e na sanidade animal.

 

O Polo Regional Extremo Oeste, no intuito de obter a certificação de propriedade monitorada para brucelose e tuberculose, realiza o saneamento do rebanho desde junho de 2004. Naquele ano, implantou um projeto para avaliar a situação epidemiológica das principais enfermidades infecto-contagiosas responsáveis por baixos índices produtivos e reprodutivos na bovinocultura.

 

O processo para Certificação de Propriedade Monitorada, solicitado ao Escritório de Defesa Animal/MAPA em agosto/2006, obteve 100% da amostragem negativa para brucelose e tuberculose em maio de 2007, com o conseqüente reconhecimento pelo Ministério. Foi a primeira unidade do Estado de São Paulo a ser reconhecida como “Estabelecimento de Criação Monitorada de Brucelose e Tuberculose”. Desde então, vem recebendo anualmente a revalidação desta certificação.

 

Modelo de referência

 

As unidades de pesquisa do Pólo Regional Extremo Oeste são conduzidas de forma a servir de modelo e de exemplo a serem seguidos pelos produtores rurais. Assim, não apenas geram pesquisa como também capacitam os produtores rurais e servem de estímulo e motivação para as transformações culturais importantes.

 

O monitoramento do rebanho, seguindo as normas técnicas do PNCEBT, permite às fazendas de corte o controle da brucelose e da tuberculose pelo gerenciamento de risco da ocorrência das enfermidades. Além disso, proporciona aos animais ótimas condições de saúde, prevenindo, eliminando ou reduzindo ao máximo a incidência de doenças, o que permite atingir os objetivos principais de reduzir os prejuízos causados na economia, na saúde animal e na saúde pública.

 

O certificado de propriedade livre ou monitorada é emitido pela Delegacia Federal de Agricultura e deve ser formalmente solicitado na unidade local do serviço de defesa oficial, na qual a propriedade se encontra cadastrada, no caso a Coordenadoria de Defesa Agropecuária (CDA/SAA-SP). Para isso, é necessário o cumprimento das medidas previstas e a supervisão técnica de médico veterinário habilitado para atuar no programa.

 

 

Notícias por Ano