SOJA: GOVERNO DO PARANÁ DIZ QUE ESTIAGEM PREJUDICA MAIS VARIEDADES TRANSGÊNICAS

06/04/2005

PORTO ALEGRE - O governo do Paraná divulgou em seu site notícia afirmando que a longa estiagem que afeta a produção de grãos no sul do Brasil demonstra a fragilidade da soja transgênica frente à escassez de água. Conforme a matéria, na região Sudoeste do Paraná, castigada pela seca na mesma intensidade que as regiões produtoras gaúchas, a produtividade da soja convencional é de 1.745 kg por hectare, enquanto no Rio Grande do Sul os produtores de soja transgênica vão colher apenas 780 kg por hectare.

Segundo levantamento da Secretaria de Agricultura e do Abastecimento, a produtividade média do Paraná para esta safra de soja convencional será de 2.330 kg por hectare.

– As variedades de soja convencional, desenvolvidas por empresas nacionais, certificadas e adaptadas ao Rio Grande do Sul, tiveram melhor desempenho. A diferença de perdas variou segundo as condições de cada plantação – calculou Narciso Barison, presidente da Apassul - Associação dos Produtores e Comerciantes de Sementes do Rio Grande do Sul.

De acordo com o assistente técnico em soja da Emater gaúcha, Aurelino Dutra de Farias, além da produtividade reduzida, o grão colhido apresenta baixa qualidade e tem coloração diferente. A maturação foi forçada pela seca. No Paraná, segundo a Secretaria de Agricultura, apesar da estiagem a soja convencional teve um desempenho de produtividade expressivamente superior ao registrado nas regiões gaúchas de soja transgênica.

A produtividade média da soja convencional paranaense será de 2.330 kg/ha, destacando-se a região Oeste com uma produtividade de 2.680 kg/ha. Os produtores de soja dos municípios da região Sul vão colher 2.597 kg por hectare. No Nordeste a produtividade será de 2.250 kg/ha, no Centro Oeste, 2.180 kg/ha e no Sudoeste, a região mais castigada pela seca, a média será de 1.745/kg/ha.
 
Do Agrol Notícias, com informações do governo do Paraná

Revista Globo Rural

Notícias por Ano