SAFRA: PRÓXIMA SAFRA AGRÍCOLA VAI TER R$ 10 BILHÕES

10/06/2005

O governo vai liberar mais de R$ 10 bilhões para investimentos no setor agrícola na próxima safra. O montante, quase 70% maior que os R$ 6 bilhões já liberado na safra atual, será anunciado oficialmente no dia 17, quando o presidente Luiz Inácio Lula vai divulgar o Plano Agrícola e Pecuário 2004/2005. O pacote, classificado como "uma revolução para a agricultura" pelo secretário-executivo do Ministério da Fazenda, Bernardo Appy, inclui um conjunto de instrumentos financeiros para aumentar o crédito ao setor.

O pilar do novo plano, no entanto, será o Moderfrota, programa de modernização da frota de tratores e implementos agrícolas, que será significativamente ampliado. Ele terá metade dos recursos previstos para investimentos, ou R$ 5 bilhões, conforme adiantou o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Ivan Wedekin. É mais que o dobro dos R$ 2,25 bilhões destinados ao programa nesta safra. "O Moderfrota deu certo e impulsionou a atividade agrícola. Por isso, o destaque no plano", disse Wedekin. O programa, administrado pelo BNDES, foi lançado pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em 2000.

A intenção do governo com o plano agrícola é dar "uma nova injeção de ânimo para um setor com desempenho extraordinário no Brasil", segundo o ministro da Fazenda, Antonio Palocci. "Ampliaremos os recursos para financiamento, criando, com o Ministério da Agricultura, mecanismos de financiamento e seguro inovadores e, com o Ministério do Desenvolvimento Agrário, a ampliação dos recursos para a agricultura familiar", comentou o ministro.

O acentuado ritmo de crescimento que a agricultura vem tendo nos últimos anos, batendo sucessivos recordes de produção e de exportações, foi quebrado neste ano em conseqüência da seca na região Sul e da ferrugem que atacou as plantações de soja no Centro-Oeste.

Títulos agrícolas

Sem capital suficiente para financiar todas as necessidades da agricultura, o governo vai anunciar, junto com o Plano Agrícola, a criação de novos títulos para alavancar o crédito ao setor. Na safra atual, por exemplo, o sistema de crédito rural disponibiliza R$ 32,5 bilhões para a agricultura, somando créditos de custeio e investimento, volume muito abaixo da necessidade de capital de giro para financiar a agricultura, estimada em R$ 100 bilhões.

O primeiro papel será o Certificado de Recebível do Agronegócio (CRA). Esse título será emitido por pessoas jurídicas ligadas ao agronegócio, lastreado em outro papel, como as Cédulas do Produto Rural (CPR), e poderá ser incluído na carteira de investidores e de fundos de investimentos. "A idéia é aproximar os investidores e os tomadores de recursos, reduzindo as taxas de juros", explicou o secretário de Política Agrícola do Ministério da Agricultura, Ivan Wedekin.

Técnicos da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) participaram do processo de elaboração do CRA, pois várias instituições financeiras manifestaram interesse na ampliação do leque de serviços destinados ao agronegócio.

Jornal O Popular

Notícias por Ano

Notícias por Polos