PRODUTORES DE COGUMELOS PODEM AUMENTAR RENDA EM ATÉ 40%



Para celebrar o Dia do Agricultor, a Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo (SAA) realiza exposição comemorativa neste sábado e domingo (dias 27 e 28), a partir das 9h, no Parque da Água Branca, na capital paulista. Durante o evento, a Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios (APTA), ligada à SAA, vai apresentar trabalho inédito de transferência de tecnologia realizado com produtores de cogumelo no Leste Paulista, que conseguiu aumentar em 40% os lucros, com o estimulo da venda de produtos frescos.


Realizada pelo pesquisador da APTA, Daniel Gomes, o estudo inédito no Brasil tem o intuito de modificar a visão desses fungicultores para o cultivo in natura e assim melhorar as condições da produção, agregando valor. Atualmente, a região possui cerca de 60 produtores de cogumelos com uma produção de 800 toneladas anualmente.

Durante as pesquisas, Gomes, percebeu a preferência dos produtores da região Leste Paulista por produzir cogumelos em conserva, por ser prático, de fácil conservação e distribuição. O cogumelo in natura se mostrou 40% mais rentável que a produção em conserva.


De acordo com Gomes, esse aumento da renda foi possível graças às reduções de custos com a cocção, conservantes e mão de obra. "Produzir cogumelos in naturaainda exclui a concorrência do cogumelo importado (cozido), que vem gerando grandes transtornos aos produtores nacionais devido à concorrência desleal de preços", afirma o pesquisador da APTA. Segundo ele, as vantagens do cogumelo fresco são inúmeras e garantem qualidade nutritiva e no sabor que oferece. "Porém, o produto dura, em média de uma semana, muito semelhante a outros produtos do nosso dia a dia como folhosas e alguns legumes", explica.


Quando se compara o consumo de cogumelos comestíveis no Brasil com países europeus, pode-se perceber o quanto este é um alimento pouco consumido no País. Apesar de ser rico em nutrientes, o consumo por habitante no Brasil quase não alcança 160 gramas, enquanto na França esse valor se aproxima dos dois quilos, na Itália, a 1,3 quilos, e na Alemanha, a quatro quilos, de acordo com dados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

No Brasil, os cogumelos comestíveis mais comuns são o shiitake, shimeji e o champignon de Paris. Segundo Gomes, as qualidades nutritivas e medicinais são amplas, porque são alimentos ricos em vitaminas do complexo B, como o ácido fólico, essencial para mulheres durante a gravidez por auxiliar o desenvolvimento do feto, a niacina, importante para a transformação de carboidratos, proteínas e gorduras em energia, e o ácido pantatênico, que auxilia o metabolismo, produz anticorpos no combate as infecções e reduz efeitos adversos e tóxicos de parte dos antibióticos.

"Os cogumelos também trazem em sua composição, riboflavinas, responsável  por favorecer o metabolismo de gorduras, açúcares e proteínas, sendo importante para saúde de olhos, boca, pele e cabelos", afirma. O alimento possui ainda baixo teor de carboidratos, gorduras e colesterol, sendo rico em fibras e sais minerais, o que auxilia no controle de peso, por garantir saciedade e, como consequência, menor ganho de peso. "Os cogumelos têm também antioxidantes, que auxiliam no sistema imunológico, além de terem alta atividade anticancerígena, contra o câncer de mama e câncer de próstata", explica o pesquisador da APTA.


Durante o evento Dia do Agricultor, serão expostos cogumelos champignon de Paris, blocos de Shiimeji. Também haverá degustação de champignon.


O público que visitar o Parque da Água Branca nos dias 27 e 28 também poderá conhecer variedades de grãos, cana, citros e café. No espaço também estarão disponíveis informações sobre sanidade animal em suínos e técnicas de degustação de café. Outra atração presente na feira será o acervo do Planeta Inseto e o peixe marinho taxiderizado, do acervo do Museu de Pesca. A APTA vai expor ainda três fêmeas de ovinos e um filhote, duas novilhas e antúrios.

Pesquisa gastronômica 


Para demonstrar as vantagens do cultivo do cogumelo fresco e melhoria da qualidade dos cogumelos produzidos por esses fungicultores, foi realizado um jantar em que todos os pratos continham cogumelos, desde os aperitivos até a sobremesa. Assim, os produtores da região puderam perceber quais as possibilidades que os cogumelos ofereciam e demonstrar que as qualidades do produto in natura não estavam apenas no valor nutritivo.


Gomes também coordenou pesquisa gastronômica junto com gastrônomos para de popularizar o consumo do cogumelo, adaptando a iguaria a receitas brasileiras. "A junção da pesquisa acadêmica com a gastronomia foi essencial e muitíssimo proveitosa", conta. Para o desenvolvimento das pesquisas foi convidado o gastrônomo e consultor de gastronomia do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE/SP), Leonardo Paiva.

Entre as receitas desenvolvidas pelo grupo, está sopa de cogumelos, cogumelo com carne suína, cogumelos com frango, carpaccio de cogumelos, feijão com cogumelos, bolinhos de arroz e cogumelos, entre outras. O resultado será publicado em um livro de receitas com cogumelos, assim como dicas para o manuseio e seleção.


O Polo Regional do Leste Paulista da APTA também participa ativamente da constituição da Associação Nacional de Produtores de Cogumelo (ANPC), que possui o objetivo congregar os produtores de cogumelo do Brasil, defender e desenvolver a fungicultura e disseminar o consumo de cogumelos no País. Cerca de 80% dos fungicultores são compostos por pequenos e médios agricultores.


Confira as outras tecnologias paulistas expostas no Dia do Agricultor


Nova variedade de feijão


O Instituto Agronômico (IAC-APTA), de Campinas, vai expor 16 sementes de grãos, nove variedades de citros, cana-de-açúcar, frutas e café. O objetivo é mostrar a diversidade dos 126 anos de pesquisas realizados pelo IAC que culminaram em um resultado histórico para a ciência nacional: o lançamento do cultivar mil, feijão do tipo carioca chamado IAC Milênio, uma das 90 espécies estudadas pelo Instituto.


O diferencial da cultivar IAC Milênio não está restrito a uma característica, mas ao pacote tecnológico composto por qualidade de grão de alto padrão no mercado, com caldo espesso e alto rendimento de panela, alta produtividade, porte ereto que viabiliza colheita mecanizada, resistência à antracnose e à murcha de Fusarium. A antracnose é uma doença que danifica folhas e vagens, depreciando o produto. A  murcha de Fusarium, principal doença da raiz, leva a planta à morte. “A resistência a essas doenças reduz em cerca de 30% a aplicação de agrotóxicos. Hoje o agricultor tem alto custo para controle da antracnose”, diz o pesquisador do IAC, Alisson Fernando Chiorato.

A qualidade do grão de alto padrão do IAC Milênio é a mesma do IAC Alvorada, lançado em 2008, que apresenta grãos claros e inteiros após o cozimento, com tamanho e formato almejados pela indústria, além de caldo encorpado apreciado pelo consumidor. Entretanto, o IAC Alvorada é suscetível à murcha de Fusarium e por essa razão, hoje é produzido em áreas novas do feijoeiro, onde não há infestação da doença e em propriedades com alta tecnologia. Chiorato afirma que o IAC Alvorada seria um dos feijões mais plantados no Brasil, se não fosse a suscetibilidade à doença que ataca a raiz. A avaliação do pesquisador é confirmada pela opinião de usuários da tecnologia IAC.

“Plantei por dois anos a IAC Alvorada, mas parei porque ela era muito sensível a doenças. O Alvorada é um feijão com grãos de qualidade e produtividade excelente. Até hoje foi o feijão com maior produtividade na minha propriedade. Se não fosse a sensibilidade das raízes à doença eu continuaria plantando”, diz Mariana Figueiredo Bergamo Salvador, que cultiva 443 hectares de feijão irrigado em Avaré, interior paulista. Esta soma de qualidades atribui ao IAC Milênio potencial para ser uma das cultivares mais plantadas no Brasil. Atualmente, cerca de 20% do mercado nacional de feijão é ocupado por materiais do Instituto Agronômico.


O pesquisador explica que o IAC Milênio vem do melhoramento do IAC Alvorada, com a mesma qualidade do grão e a vantagem de ser resistente à murcha de Fusarium. É exatamente o perfil desejado pela agricultora Mariana Bergamo. “Se tivesse semente de um feijão parecido com o Alvorada, mas resistente a doenças, eu plantaria com certeza”, diz.

O interesse é o mesmo de Altair Muller Corrêa, agricultor de Manduri, em São Paulo. ”Se tivesse uma variedade do Alvorada resistente à doença de raiz, vixi, eu tenho muito interesse em plantar. Para o consumidor ele é muito bom”. A cultivar IAC Milênio tem produtividade média de 2.831 kg/hectare, que é semelhante a outros materiais do mercado, e potencial produtivo de 4.625 kg/hectare.


Agregação de valor


A APTA também vai expor no evento algumas espécies de plantas medicinais e aromáticas que podem representar uma fonte de renda complementar para o produtor rural. Nos últimos anos tem crescido o cultivo de plantas aromáticas para a produção de chá, atender a fitoterapia e extração de óleos essências para indústria de perfumaria, alimentícia e aromaterapia, entre outros segmentos.


De acordo com a pesquisadora da APTA, Sandra Maria Pereira da Silva, a implantação da estrutura de produção de plantas medicinais e aromáticas demanda, principalmente, organização da pós-colheita relativa ao beneficiamento (seleção e limpeza), secagem e extração de óleos essenciais, armazenamento e comercialização. “Há necessidade de se organizar uma pequena agroindústria para atender as normas de boas práticas de produção de plantas medicinais e aromáticas, visando produção de matéria-prima com qualidade para se alcançar bons preços de comercialização”, afirma. Silva destaca ainda a importância de organização dos produtores em cooperativas ou associação para se colocarem no mercado de forma bem estruturada e com garantia de bons negócios.


O Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL-APTA) levará ao público exemplos de alimentos que agregam valor com o processamento da matéria-prima vinda do campo. Em agosto de 2013, o ITAL completa 50 anos presentes no cotidiano da população.


Garapa ou caldo de cana engarrafado


O Centro de Frutas e Hortaliças do ITAL desenvolveu, em parceria com o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) e com a Empresa Susten, tecnologia para processamento de garapa de cana em garrafas. O produto é único no mercado mundial, por ser 100% natural e não conter conservantes em sua formulação. A garapa engarrafada possui tempo de prateleira adequado para a distribuição do produto em todo o País e para exportação. 

Drageado de maçã e cupuaçu


Em parceria com o SEBRAE e a empresa Blue Macaw, o Centro de Frutas e Hortaliças (Fruthotec) e o Cereal Chocotec, ambas unidades do ITAL, desenvolveram drageado de maçã com cobertura de cupuaçu, semelhante a um cereal matinal. O produto, que pode ser consumido também como um snack, mantém as características funcionais e antioxidantes das frutas.


Embalagem para ração do Exército Brasileiro


O Centro de Tecnologia de Embalagens (Cetea) do ITAL foi pioneiro no País no estudo das embalagens plásticas esterilizadas (conhecidas como retortable pouches). O sistema retort pouch tem conceito moderno com abertura fácil, refechamento e a possibilidade de ser aquecido em micro-ondas, quando não há folha de alumínio na embalagem. A tecnologia atende à crescente demanda do consumidor por produtos prontos e semiprontos. Atualmente, esse tipo de embalagem está presente em supermercados, na merenda escolar, nas forças armadas e na pauta de exportações do Brasil.

Classificação do café brasileiro em “gourmet, superior e tradicional”


A experiência e conhecimento técnico dos pesquisadores do Laboratório de Avaliação Sensorial (Lafise), do Centro de Química e Qualidade de Alimentos (CCQA) do ITAL, levou a uma nova metodologia internacional de classificação da bebida no Brasil, na década de 2000. Os pesquisadores desenvolveram um novo sistema de classificação, baseado nas metodologias de análise sensorial, o qual possibilitou o estabelecimento de atributos relacionados com a percepção do consumidor. O novo sistema facilitou a comunicação com o mercado e introduziu um novo nível de conhecimento sobre a qualidade do café. O resultado da pesquisa valorização dos grãos das fazendas e a fixação de identidade e qualidade do café torrado em grão e café torrado e moído, classificando-os em três categorias: gourmet, superior e tradicional.


Doce de leite com fibras


O Centro de Tecnologia de Latícinios (Tecnolat) do ITAL desenvolveu tecnologia para a produção de doce de leite com adição de fibras. A equipe do Instituto adicionou fibras solúveis ao produto, permitindo ação prebiótica com vários benefícios à saúde dos consumidores. 


Tecnologia de cultivo orgânico


Para os agricultores orgânicos, a APTA, por meio da Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento de São Roque, apresenta tecnologia de cultivo que reduz em 40% os custos para a produção de um composto utilizado como biofertilizante para cultivo de orgânicos, chamado bokashi. Originalmente, a tonelada do biofortificante japonês custava em média R$ 810,00. Com a substituição de alguns componentes, a pesquisa paulista conseguiu desenvolver um bokashi ao custo de R$ 460,00 a tonelada. “O farelo de soja, por ser utilizado como matéria-prima para fabricação de ração animal, é inviável para o preparo do adubo, então, o substituímos por farelo de mamona, abundante na região de São Roque e em todo mercado agropecuário do Brasil”, afirma o pesquisador da APTA, Issao Ishimura. 

Outra mudança foi em relação à farinha de peixe industrializada, que custa em média R$ 2,20 o quilo, por sobras da limpeza de peixes frescos das peixarias, que são distribuídas a custo zero. O farelo de arroz – fonte de amido – foi trocado por resíduos da indústria de fécula e fritas de batata, que também não custa nada. De acordo com o pesquisador da APTA, a composição e a dosagem aplicada variam conforme o estado do solo – degradado ou não – os níveis de nutrientes existentes e a espécie que será cultivada.


Foi por meio da pesquisa paulista também que os produtores de tomate orgânico passaram a produzir mais. Quando os pioneiros na produção orgânica utilizavam no cultivo de tomate apenas compostos simples, preparados com esterco animal conseguiam produzir pouco, apenas 0,5 kg de tomate por pé. Na agricultura tradicional é possível produzir em média oito quilos. Atualmente, recomenda-se utilizar o bokashi em conjunto com o composto orgânico comum à base de esterco animal curtido com material celulósico e capim, usado como condicionador do solo, o que melhora as condições físicas e biológicas. “Na região de São Roque, na cidade de Ibiúna, há um grande produtor que consegue produzir até três quilos por pé, ou seja, seis vezes mais. Quando o agricultor é pequeno e familiar, pode chegar a dobrar a produção”, afirma Ishimura.


O bokashi, produzido a partir de ingredientes do beneficiamento de matérias-primas fermentados por micro-organismos benéficos, evita o ataque de doenças fúngicas ao tomateiro e outras espécies suscetíveis a doenças. O biofertilizante pode ser utilizado no plantio de hortaliças, como cebola, batata, alcachofra e louro. Se não fosse a utilização para esse fim, os resíduos que compõem o produto iriam para aterros sanitários. “O bokashi aplicado em solo nutricionalmente desequilibrado e degradado pelo uso excessivo de insumos químicos permite sua recuperação por meio da melhoria das propriedades químicas, físicas e principalmente biológicas, em equilíbrio com a natureza, de acordo, com enfoque agroecológico”, explica o pesquisador da APTA. Segundo Ishimura, seu preparo depende somente de material originado de recursos naturais renováveis sendo, portanto, uma tecnologia ecologicamente correta.

Ainda de acordo com Ishimura, os resíduos sólidos produzidos na região são reaproveitados na produção de alimentos dos próprios municípios, gerando riqueza e benefícios para a comunidade.


Degustação de café


Durante o evento, o pesquisador da APTA, Daniel Gomes, vai ensinar de forma simples e didática como os consumidores e também produtores rurais podem identificar cafés de boa qualidade. Segundo Gomes, os consumidores geralmente não identificam o bom café por falta de informação e acesso ao café de qualidade. “Mesmo os consumidores leigos quando confrontam seu café de consumo com cafés especiais, ficam boquiabertos tamanha a diferença entre os produtos e acabam mudando, assim, seus hábitos de consumo, buscando por bebidas melhores”, afirma. Essas transferências de conhecimento fazem parte de projetos de agregação de valor ao café paulista realizada pelo Polo Regional do Leste Paulista da APTA em parceria com Sindicatos Rurais Regionais, Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR), Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE), cooperativas e associações da Região.


Sanidade animal


A Unidade de Pesquisa e Desenvolvimento da APTA de Itapeva e o Instituto Biológico (IB-APTA) vão expor no Dia do Agricultor 10 leitões para demonstrar o projeto Circovirose, desenvolvido em parceria pelas instituições. A circovirose suína é uma enfermidade reconhecida recentemente e que foi descrita na Alemanha, Reino Unido, Canadá, Nova Zelândia, Estados Unidos, Dinamarca, Irlanda do Norte, Grécia, Tailândia, Espanha, França, Hungria, Coréia, Japão, México, Argentina e no Brasil.


A pesquisa tem o objetivo de compilar os principais dados referentes à circovirose suína com o intuito de informar e alertar para o elevado potencial de perdas econômicas que essa enfermidade apresenta à suinocultura mundial e nacional. O Projeto “Circovirose” será finalizado em outubro de 2014.


Evento terá atrações para toda a família


Durante o evento, o Instituto Biológico (IB-APTA) vai expor uma parte do acervo de seu museu, chamado Planeta Inseto. Este é o único jardim zoológico de insetos do Brasil. Os visitantes poderão manusear os insetos e ouvir explicações sobre eles, por meio de aparelhos de multimídia.


Haverá exposição de formigueiro vivo, diferentes espécies de besouros, caixa sobre controle biológico de pragas, bicho pau e baratas de Madagascar -- consideradas as maiores baratas do mundo, além de barata dourada e barata do mato.Tudo para explicar aos participantes sobre a diversidade sobre insetos, pragas e agentes biológicos de controle, mecanismos de defesa da natureza, mimetismo e camuflagem, além dos trabalhos realizados pelo Instituto. Haverá ainda banners sobre o que é inseto e como eles podem ser inclusos no cardápio.


Os visitantes do Parque da Água Branca também poderão conhecer o trabalho realizado pelo Instituto de Pesca (IP-APTA) que levará para o evento o peixe marinho mero, do acervo do Museu da Pesca, que fica em Santos. O peixe foi capturado com arpão por um pescador amador em Itanhém, São Paulo, após a proibição da pesca pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA). O exemplar foi aprendido e doado ao Museu da Peca. O mero foi taxidermizado e exposto à visitação pública. O público poderá degustar ainda patê defumado de truta.


Evento

O Dia do Agricultor é um evento realizado pela Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, nos dias 27 e 28 de julho, das 9h às 17h. A exposição será montada no Parque da Água Branca, localizado na cidade de São Paulo.


Serviço

Comemoração do Dia do Agricultor


Data: 27 a 28 de julho


Horário: das 9h às 17h


Local: Parque da Água Branca


Endereço: Av. Francisco Matarazzo, 455, Barra Funda – SP


Texto: Fernanda Domiciano e Sandy Quintans(Estagiária)


Assessoria de Imprensa – APTA


19 -- 2137-0616/0613
 

Notícias por Ano

Notícias por Polos