DIA DE CAMPO SOBRE GESTÃO AMBIENTAL DO SISTEMA DE PRODUÇÃO AGROFLORESTAL COM GUANANDI, EM PINDAMONHANGABA

 

Dia de campo sobre .Gestão Ambiental do Sistema de Produção Agroflorestal com guanandi. aconteceu, no dia 6 de outubro, na tradicional Fazenda Coruputuba, em Pindamonhangaba (SP), que completa neste ano 100 anos de atividades pioneiras ligadas ao setor agrícola e florestal. O objetivo foi capacitar pesquisadores do Polo Vale do Paraíba/APTA Regional, da Secretaria de Agricultura e Abastecimento, na utilização dos mecanismos de gestão desenvolvidos por especialistas da Embrapa Meio Ambiente (Jaguariúna, SP).

 

Dois sistemas de indicadores - Ambitec-Agro e APOIA-NovoRural . foram apresentados pelo pesquisador Geraldo Stachetti Rodrigues, do Laboratório de Gestão Ambiental da Embrapa Meio Ambiente. O primeiro tem como foco a avaliação de impactos da adoção de tecnologias no sistema produtivo.  Já o segundo sistema está focado no apoio à gestão ambiental visando à sustentabilidade.

 

Stachetti explica que a atividade se desenvolveu no âmbito do projeto .Biodiversidade na produção agroflorestal de guanandi (Calophyllum braziliensis) e acácia (Acacia mangium).. .A capacitação dos pesquisadores convidados do Polo Regional possibilitará a posterior aplicação dos referidos métodos como subsídio à gestão ambiental e conservação da biodiversidade nesta Unidade do Estado de São Paulo., diz o pesquisador.

 

O estudo de caso enfatizou as contribuições do cultivo do guanandi na qualidade da água. O guanandi é uma espécie florestal plantada comercialmente há cinco anos no ambiente de várzea, por tolerar o alagamento do solo. Stachetti esclarece que, .apesar dos métodos serem relativamente fáceis de serem aplicados e os resultados obtidos rapidamente, algumas análises, como da qualidade da água, demandam equipamentos sofisticados e mão-de-obra especializada..

 

A atividade foi coordenada pelo pesquisador Antonio Carlos Pries Devide, que tem estudado tecnologias para consolidar esse sistema de produção e diversificação arbórea. O dia de campo contou com o apoio da empresa CP-4 Guanandi Produtos Agrícolas, bem como do Núcleo de Informação e Transferência do Conhecimento e do Núcleo de Pesquisa e Desenvolvimento do Polo Vale do Paraíba/APTA Regional.

 

Resultados preliminares

 

Os resultados preliminares apontam grande contribuição da implantação de agroflorestas nas áreas de várzea, para a qualidade das águas superficiais e o controle da erosão laminar quando de eventos pluviométricos extremos. Além disso, o estudo identifica melhorias nos índices de desempenho ambiental na dimensão ecologia da paisagem, como diversidade de habitats e diversidade produtiva. Ademais, as agroflorestas aportam importante valorização da propriedade rural, pela melhoria da qualidade dos recursos naturais locais, em especial quando vinculadas a essências florestais de alto valor, como o guanandi.

 

Em escala ampliada, para além do estabelecimento rural de referência deste estudo de caso, o desenvolvimento tecnológico para diversificação arbórea, promovido pela equipe do Polo Vale do Paraíba/APTA Regional e seus parceiros, é uma iniciativa promissora para a região, que carece de alternativas que promovam a economia local, diversifiquem a paisagem e favoreçam a recuperação de áreas frágeis, como as várzeas e áreas de elevado declive.

 

Para o pesquisador Antonio Devide, a atividade também foi relevante para os pesquisadores da área de Aqüicultura do Polo Regional, empenhados no monitoramento da qualidade da água em sistemas de produção de várzea. Também foi uma excelente oportunidade para estreitar os laços de parceria e promover a troca de saberes entre técnicos e produtores rurais.

 

Além de Devide, participaram do dia de campo os pesquisadores da APTA Regional

Cristina Maria de Castro, Patrick Ayrvie Assumpção, Laerte Assumpção, Adriana Sacioto Marcantonio e Fernanda Menezes França Salgueiro.

Notícias por Ano