APTA REGIONAL: PÓLO REGIONAL DO LESTE PAULISTA E INSTITUTO DE ECONOMIA AGRÍCOLA APRESENTAM POTENCIAL DA PRODUÇÃO DA CACHAÇA NO CIRCUITO DAS ÁGUAS

12/03/2007

 

No próximo dia 16, o Pólo Regional do Leste Paulista e o Instituto de Economia Agrícola (IEA), vinculados à Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo realizam o evento “Cachaça: tradição e Perspectivas”, que tem como objetivo promover o debate sobre os obstáculos e as potencialidades da cachaça na Região do Circuito das Águas Paulista. O evento terá como base os resultados de uma pesquisa realizada pelo IEA junto aos produtores e instituições envolvidas com a cachaça regional.

 

Segundo a pesquisadora e coordenadora do evento, Adriana Renata Verdi, a pesquisa do Instituto de Economia Agrícola com o apoio do Pólo APTA Regional do Leste Paulista levantou dados em 2005 e 2006 que resultaram em diversas análises feitas a partir das dificuldades e das possibilidades de desenvolvimentoque o mercado de cachaça de alambique possui.

 

Durante a pesquisa, constatou-se que tanto os produtores, quanto as instituições, como as Casas de Agricultura, prefeituras municipais e o Circuito das Águas, estão dispostos a investir no desenvolvimento e agregar valor à produção de Cachaça de Alambique regional. “O grande desafio é a falta de liderança que organize e coordene os diversos interesses dos agentes envolvidos com a cachaça e os faça convergir para um projeto coletivo de desenvolvimento do setor na região.Nesta perspectiva, “o evento terá o objetivo de promover e estimular a proximidade organizacional entre os diversos agentes”, diz a pesquisadora.

 

Temas como turismo rural, desenvolvimento local, cooperação e selo de qualidade para a cachaça do Estado de São Paulo, serão abordados em palestras e exposição de dados da pesquisa. ”Queremos que todos percebam a viabilidade de investimentos na produção de cachaça da região, que suporta o desenvolvimento de roteiros turísticos que divulguem a cachaça de alambique”, conta Adriana.

 

A cachaça de alambique é produzida há mais de meio século na região do Circuito das Águas Paulista, que conforma o mais importante aglomerado produtivo do estado paulista, com uma centena de pequenos e médios produtores concentrados, sobretudo, nos Municípios de Águas de Lindóia, Amparo, Jaguariúna, Lindóia, Monte Alegre do Sul, Pedreira, Serra Negra e Socorro.

 

A tradição do processo produtivo da bebida proporcionou a elevada especialização da mão-de-obra regional, além de um sistema de representações sociais associados ao desenvolvimento desta atividade econômica.“O resgate dessa tradição é importante para a constituição de um território paulista da cachaça e para o processo de agregação de valor à bebida regional”, disse a pesquisadora científica.

 

Além disso, a pesquisadora informa que o evento será também uma forma de mostrar os resultados obtidos na pesquisa aos próprios entrevistados, que são os maiores envolvidos e interessados no assunto.

 

Mais informações sobre o evento “Cachaça: tradição e Perspectivas”, com Patrícia H. N. Turco pelo e-mail pololestepaulista@aptaregional.sp.gov.br e pelos telefones (19) 3899-1286 ou (19) 3899-1022. E, para mais informações sobre a pesquisa feita com os produtores e instituições envolvidas com a produção da Cachaça de Alambique, com a pesquisadora Adriana Renata Verdi, pelo e-mail averdi@iea.gov.br

 

Texto produzido pela Assessoria de Comunicação

comunicacao@aptaregional.sp.gov.br

Notícias por Ano